Hipertireoidismo – Minha experiência de 7 anos.

Reading time: 3 minutes

Aos 16 anos comecei a ter alguns sintomas bem estranhos para alguém da minha idade. Minha mãe ficava apavorada. Primeiro comecei a emagrecer subitamente. Depois comecei a ficar muito cansada…Andava 10 minutos e já precisava sentar. Mãos tremendo. O coração ficava acelerado como se tivesse corrido uma maratona e claro, meus olhos aumentaram de tamanho e ficaram muito aparentes. Mal sabia que já tinha hipertireoidismo.

Nessa época nós não fazíamos ideia do que eu tinha. Eu nem sabia o que era tiroide. Nem sabia que eu poderia vir a ter um problema como esse. Incrível como os médicos só de olhar para o meu pescoço e olhos já podiam adivinhar o que eu tinha. Hipertireoidismo. Os exames confirmaram. Um médico colocou uma folha sobre minha mão esticada…tremendo…mesmo eu tentando não mexer a folha caiu no chão com a tremedeira.

 

A luta só estava começando: Hipertireoidismo

 

E assim começou minha luta. Comecei a tomar Tapazol e depois os sintomas sumiram. Menos a tireoide que nesse tempo inteiro nunca parou de crescer. Nos primeiros anos eu não me importei muito. Tomava meus remédios…me sentia bem. Para que mexer no que está bem? Os médicos insistiam na dose de iodo radioativo mas eu sempre morri de medo. Uma coisa radiotiva em mim? Uma coisa que nas primeiras semanas nem grávida ia poder ficar perto de mim? Achei estranho…

Ia enrolando. Até uns 4 anos depois quando qualquer pessoa falava dos meus olhos e pescoço…não só os médicos. Recomecei o tratamento com outra médica e ela veio com essa história de iodo de novo. Ta. Tudo bem. Aí o que aconteceu ? Meu querido papai faleceu e com isso eu desviei toda a minha atenção para esse triste acontecimento. Com isso também perdemos o plano de saúde do trabalho dele. E agora? Como cuidar do hipertireoidismo?

Nesse ano também me casei e mudei para os Estados Unidos. Com isso pensei “Lá a saúde é maravilhosa então vou resolver tudo lá”. Boba. Fiquei lá 6 meses…muita coisa aconteceu, peguei até outra doença kkkk gastrite… Acabei querendo voltar para o Brasil e não resolvi nada lá. Sempre colocando outras coisas na frente…

 

Quando realmente foquei em me tratar

 

Em 2017 no Brasil, ainda sem plano de saúde, consegui uma vaga no hospital IEDE no Centro do Rj. Isso foi uma grande benção de Deus! Um hospital público especializado em endocrinologia e diabetes. Até hoje me consulto lá e eu adoro, os médicos são excelentes. Pena que a rede pública anda tão precária.

A médica também insistiu no iodo radiativo mas por meses esperei uma máquina quebrada ser consertada. Até que ela me sugeriu a cirurgia de remoção de tireoide. Hummm…Não tinha pensado nessa hipótese. Qual seria a diferença entre destruir a tireoide (iodo radioativo) e retirá-la? O importante era se livrar do hipertireoidismo e dessa tireoide complicada.

Os médicos nunca me indicaram a cirurgia por que eu não tenho nódulos…Então não haveria “necessidade” de um método tão invasivo. Entretanto, um outro médico que me consultei me disse que meu bócio era tão grande que o iodo nem ia adiantar e que eu ia precisar de outra dose depois.

Com tudo isso estou aguardando ansiosamente minha cirurgia. Quando eu retirá-la faço outro post aqui!

Tenho dois vídeos no Youtube contando minha história:

 

 

Beijo gente! Espero ter ajudado!!!

 

#DICASDATHAYS

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *